O Processo de Acumulação Originária na Bolívia: Saída e retorno a vida no campo
O Processo de Acumulação Originária na Bolívia: Saída e retorno a vida no campo
PDF (Português (Brasil))
EPUB (Português (Brasil))

Cómo citar

Antunes Moreira, L. D. (2020). O Processo de Acumulação Originária na Bolívia: Saída e retorno a vida no campo. Pacha. Revista De Estudios Contemporáneos Del Sur Global, 1(2), 120-133. https://doi.org/10.46652/pacha.v1i2.15

Resumen

Este artigo tem como objetivo discutir e compreender o processo de acumulação originária ocorrido na Bolívia até a promulgação do Buén Vivir como princípio constitucional pautado em uma perspectiva de retorno a uma sociabilidade não capitalista. Foi essencial para o desenvolvimento deste, a retomada dos escritos marxianos com a finalidade de compreender todo este processo que separa o homem da natureza conhecido como acumulação originária. A metodologia utilizada no trabalho é qualitativa de cunho descritivo na qual analisará a bibliografia disponível. A priori, é possível concluir que o Buen Vivir se apresenta sim como uma alternativa ao caos da exploração, da globalização desenfreada e do sistema capitalista que foram sendo impostas desde o tempo colonial. Sendo uma das saídas deste cenário a recampesinização.

https://doi.org/10.46652/pacha.v1i2.15
PDF (Português (Brasil))
EPUB (Português (Brasil))

Citas

Acosta, A. (2010). El Buen Vivir em el caminho del post-desarrollo–Una lectura desde la Constitución de Montecristi”, Policy Paper N° 9, Fundación Friedrich Ebert.

Acosta, A. (2011). Los Derechos de la Naturaleza – Una lectura sobre el derecho a laexistencia. Em, A. Acosta y E. Martínez (editores) La Naturaleza con Derechos – De la filosofía a la política. (pp. Colocar el número de páginas del capítulo del libro) Abya-Yala.

Acosta, A. (2011b). Extractivismo y neoextractivismo: Dos caras de la misma maldición. Em, M. Lang y D. Mokrani (Compiladoras). Más allá del desarrollo, (pp. 83-118) Fundación Rosa Luxemburg y Abya Yala.

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2007). Pesquisa Qualitativa como texto, imagem e som: um manual prático. 6. Ed. Vozes.

Gibson, Ch. (2004). As sociedades indígenas sob o domínio espanhol. In, L. Bethell. (org.). História da América Latina. América Latina colonial. Vol. 2. (pp. 269-308). Fundação Alexandre Gusmão

Gudynas, E., y Acosta, A. (2011). El buen vivir o la disolución de la idea del progreso. In, M. Rojas (Coord.). La medición del progreso y del bienestar: propuestas desde América Latina. (pp. 103-110) Foro Consultivo Científico y tecnológico AC.

Harvey, David. (2013) Para entender o capital. Boitempo.

MacLeod, M. J. (1999). Review Essays–Archival Empiricism, or Fine New Wine in Solid Old Bottles: Recent Writing on the History of Guatemala, Colonial Latin American Review, 8(1), 139-144, https://doi.org/10.1080/10609169984809

Marx, K. (1987) O capital: crítica da economia política. 11. ed. Bertrand Brasil-Difel

Marx, K. (2010) Sobre a questão judaica. Boitempo Editorial.

Marx, K. (2004) Manuscritos Econômico-filosóficos. Boitempo Editorial.

Ploeg, J. D. V. D. (2008). Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Editora UFRGS.

Rosa, A. E. M. P. (2019). A Cidadania e os desafios e embates entre o Estado Liberal e o Estado Plurinacional: perspectivas para a integração Latino-Americana. [Master’s thesis, Universidade Federal da Integração Latino-Americana]. BDTD–Biblioteca Digital de Teses e Dissertações. http://dspace.unila.edu.br/123456789/5101

Shiva, Vandana. (2003). Monoculturas da mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. [tradução Dinah de Abreu Azevedo]. Gaia.

Creative Commons License

Esta obra está bajo una licencia internacional Creative Commons Atribución-NoComercial-SinDerivadas 4.0.

Derechos de autor 2020 Array

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Métricas

Cargando métricas ...